Twitter Youtube
Boletim Eletrônico
nome
email
Enviar Notícia para um amigo
Imprimir

Clipagem

05/05/2011 12:05

Professores da Uefs em greve fazem manifestação nesta sexta


Nesta sexta (06), às 9h30, os professores da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), em greve há 23 dias, farão uma manifestação em frente à Prefeitura municipal, no centro comercial de Feira de Santana. Durante a manifestação, haverá um “barbear coletivo” parodiando a “venda” da barba pelo governador Jaques Wagner (PT Bahia). Em assembleia, na terça (03), os professores decidiram manter a greve por tempo indeterminado, com 133 votos favoráveis, 24 contra e 9 abstenções, mesmo após a suspensão do pagamento de seus salários anunciada pelo governo estadual na quinta (28/04). Uma nova assembleia de avaliação do movimento foi marcada para o dia 17 de maio, às 09 h, no Anfiteatro da Uefs.

 

 

 

 

 

A tentativa do governo petista de encerrar a greve com o corte dos salários dos professores da Uefs, Uesb e Uesc não teve sucesso. “Não vamos nos amedrontar com a atitude arbitrária e inconstitucional do governo de desrespeitar o direito de greve. Continuaremos firmes na luta, pois só assim conquistaremos nossas reivindicações”, afirma o coordenador da Associação dos Docentes da Uefs (Adufs), Jucelho Dantas. Para os professores, o governo precisa retomar as negociações quanto a retirada da cláusula do acordo salarial que congela os salários até 2014 e a revogação do Decreto 12.583/11 que contingencia as verbas no serviço público.

 

 

 

 

 

Em nota publicada na quinta (28) o governo afirma que o processo de negociação não foi interrompido. No entanto, na quarta (20), o mesmo enviou aos representantes dos professores um e-mail no qual afirmava que a cláusula restritiva, a qual pretende congelar os salários dos docentes até 2015, imposta no momento da assinatura do acordo salarial 2010, em 22 de dezembro do ano passado, após mais de um ano de negociação, não seria retirada e que o acordo salarial só seria assinado após o final da greve. “Não temos sequer uma reunião marcada com o governo. O que mais desejamos é negociar, mas para isso o governo precisa nos receber”, relata Jucelho Dantas.

 

 

 

 

 

As negociações entre o governo e os professores, que resultaram no acordo da incorporação da gratificação CET (Condições Especiais de Trabalho) ao salário base, duraram mais de um ano. Os professores, demonstrando sua capacidade de negociação, aceitaram o pagamento da incorporação de forma parcelada até 2014. No entanto, no dia da assinatura do Acordo o governo surpreendeu a categoria incluindo no documento a cláusula restritiva.

 

 

 

 

 

Segundo o professor Jucelho, o que está impedindo a assinatura do acordo não é o parcelamento da incorporação da CET, mas a imposição do governo para que a categoria passe quatro anos sem qualquer melhoria salarial. “O governo está divulgando a incorporação da CET como se isso significasse uma grande melhora nos nossos salários e não é verdade. A CET significa um aumento de 12 a 18%, a depender da classe em que se encontra o professor, ao final dos quatro anos, o que é muito pouco se lembrarmos que as Universidades estaduais da Bahia recebem os piores salários do Nordeste. Estados com arrecadação de impostos bem menor pagam muito melhor aos professores de suas Universidades, a exemplo do Ceará, da Paraíba e do Piauí”, completa Jucelho.

 

 

 

 

 

De acordo com o coordenador do Fórum das Associações Docentes, Gean Santana, o governo tenta confundir a opinião pública com dados que mostram que ele “faz mais” pelas Universidades, escondendo que o feito ainda está muito aquém das necessidades reais, dada a expansão da Educação Superior baiana.  “O governo petista também não fala dos ataques proferidos por ele à autonomia universitária e aos direitos trabalhistas dos docentes, previstos em Lei. Temos estudos que comprovam que este governo está supervalorizando seus números. Inclusive usando cálculos questionáveis ao comparar o orçamento das Universidades estaduais incluindo o ano de 2006, quando sequer era governo”, afirma Gean.

 

 

 

 

Durante a manifestação, os grevistas pretendem esclarecer a população divulgando a situação do movimento, inclusive a suspensão do pagamento dos salários do mês de abril. A disposição dos professores, mesmo assim, é de continuar em greve em defesa de melhores salários, mais verbas e da autonomia universitária. “A UEFS é um importante patrimônio do povo baiano e não deixaremos que o governo a trate com tanto descaso”, finaliza a professora Sara, do Comando de Greve.




Elaborado pela assessoria de comunicação da ADUNEB, o serviço de Clipagem apresenta um resumo das informações ligadas à Educação e ao movimento sindical publicadas pelos principais jornais, agências e sites de notícias do país.

É utilizada pela ADUNEB como ferramenta para manter os professores atualizados. Os conceitos e opiniões veiculados nas matérias são de responsabilidade exclusiva do veículo em que foram publicadas e não refletem, necessariamente, a opinião da ADUNEB, diretoria e assessoria de comunicação.

Fonte: ASCOM ADUFS

voltar

Outras Clipagens

TV ADUNEB

outros vídeos

Enquete

Logo publicaremos nova enquete. Aguarde!




by Jourdan DesignAssociação dos Docentes da Universidade do Estado da Bahia
Rua Silveira Martins, 2555 - Cabula - CEP. 41195-001 - Salvador - BA
Telefax - (71) 3257-9333 / 5803. E-mail: aduneb@atarde.com.br